Pular para o conteúdo principal

Poliomielite: tudo que você precisa saber sobre a doença

Também conhecida como pólio ou paralisia infantil, a poliomielite é uma doença causada pelo poliovírus, que pode afetar tanto adultos quanto crianças. Nos casos graves, pode causar paralisias musculares, em especial nos membros inferiores. 

A transmissão ocorre por meio do contato direto com fezes ou secreções eliminadas pela boca de pessoas doentes. A maioria dos infectados pelo poliovírus não chega a desenvolver a doença, enquanto outros são afetados com sérios problemas neurológicos que podem levar até mesmo à morte. Os sintomas mais comuns são:

-Febre;

-Mal-estar;

-Dor de cabeça;

-Dor de garganta e no corpo;

-Vômitos;

-Diarreia;

-Constipação (prisão de ventre);

-Espasmos;

-Rigidez na nuca;

-Meningite.

Nos casos mais graves, quando ocorre paralisia, o paciente também pode ser acometido por: 

- Deficiência motora súbita, acompanhada de febre; 

- Assimetria nos membros, principalmente inferiores; 

- Flacidez muscular, que prejudica os reflexos na área paralisada; 

- Persistência da paralisia 60 dias após a doença; 

- Sensibilidade conservada. 

A poliomielite pode deixar várias sequelas nos pacientes, como problemas nas articulações, pé torto, crescimento diferente das pernas, paralisias permanentes, atrofias musculares, hipersensibilidade ao toque, entre outras. 

Um exemplo do sucesso das vacinas 

Graças ao sucesso da campanha de vacinação, essa doença, que já foi endêmica em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil, praticamente deixou de existir. Por aqui, o último caso de poliomielite foi registrado em 1989. 

Até o momento, a vacina continua sendo a única forma de prevenção. O esquema adotado no Brasil desde 2016 é de três doses com vacina injetável (VIP), aos 2, 4 e 6 meses de idade. Em seguida, são acrescentadas duas doses orais (gotinha) de reforço. 

Cuidado com as fake news 

Muitas notícias falsas sobre a vacina da poliomielite vêm sendo veiculadas, o que dificulta as campanhas de vacinação, levando ao risco de reaparecimento de uma doença que já tinha sido erradicada. Seguem algumas inverdades que costumam ser compartilhadas: 

- Vacinas da poliomielite causam autismo: falso; 

- O estudo de 1998, que relacionava a vacina da poliomielite a casos de caxumba, sarampo e rubéola foi considerado falho e retirado da revista que o publicou. 

- A vacina pode gerar sérias reações a longo prazo (até fatais): as reações causadas pela vacina costumam ser pequenas e temporárias. Os riscos de paralisia, morte e outros efeitos colaterais graves por poliomielite são muito maiores do que aqueles que ocorrem em decorrência da vacina. 

- Aplicar mais de uma vacina nas crianças pode sobrecarregar o sistema imunológico: evidências científicas mostram que aplicar várias vacinas ao mesmo tempo não gera efeitos adversos graves. 

- A vacina é perigosa porque tem mercúrio: não existem evidências que sugiram que a quantidade de tiomersal (conservante que contém mercúrio) utilizada nas vacinas represente um risco para a saúde.

Desta forma, não deixe de vacinar seu filho contra a poliomielite. Você pode trazê-lo para tomar as doses aqui, na IMOVAC. Temos uma equipe de especialistas em imunologia pronta para oferecer o melhor atendimento. Marque uma consulta. 

Agendar Atendimento

https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/poliomielite

Contato
Fale Conosco